30 de setembro de 2015

Pela Noite Concedias-me O Favor

Henri Matisse
Pela noite concedias-me o favor,
Abriam-se as portas do altar
E a nossa nudez iluminava o escuro
À medida que genuflectia. E ao acordar
Eu diria «Abençoada sejas!»
Sabendo como pretensiosa era a bênção:
Dormias, os lilases tombavam da mesa
Para tocar-te as pálpebras num universo de azul,
E tu recebias esse sinal sobre as pálpebras
Imóveis, e imóvel estava a tua mão quente.

Arseni Tarkóvski (1907-1989)
Tradução: Paulo da Costa Domingos

Nenhum comentário: