6 de setembro de 2015

Os Excessos de Deus

William Bradford
Não é por sua superabundância que conhecemos
O nosso Deus? Pois equivaler a uma necessidade
É natural, animal, mineral: porém dotar
De arco-íris a chuva
E de beleza a lua, e de secretos arco-íris
Os domos das conchas na profundidade marinha,
E fazer belo como o fogo
O vital abraço da procriação,
Que nem mesmo as ervas daninhas se multiplicam sem floração
Tampouco os pássaros sem música:
Eis aí o grande predicado humano no coração das coisas,
A extravagante benevolência, a fonte
Que a humanidade é capaz de compreender, e como tanto fluiria
Se o poder e o desejo pousassem numa mesma fronde.

Robinson Jeffers (1887-1962)
Tradução: J. A. Rodrigues

Nenhum comentário: