11 de setembro de 2015

Aves Aquáticas

Ruud Weenink
Vou apanhar na minha rede a barca
Que me levará hoje para junto de ti.

Há flores que se parecem com mãos
Os seus dedos tateiam e soltam perfume.

As minhas pálpebras são cortinas transparentes
Abro-as e vejo à minha frente o que calha
Fecho-as e vejo à minha frente os meus desejos.

Andréas Empeiríkos (1901-1975)
Tradução: Manuel Resende

Nenhum comentário: