2 de agosto de 2015

Bordando

Pierre-Auguste Renoir
Sempre te vejo, alegre e distraída
sobre o trabalho reclinada, a um canto
da sala, entre cambraias e filós.

Tu, que passas bordando toda a vida,
por que não bordas — tu, que bordas tanto,
um parzinho de fronha para nós?

Leo Lynce (1884-1954)

Nenhum comentário: