16 de julho de 2015

Monólogo

Pedro Charters d'Azevedo-Monólogo
Estar atento diante do ignorado,
Reconhecer-se no desconhecido,
Olhar o mundo, o espaço iluminado,
E compreender o que não tem sentido.

Guardar o que não pode ser guardado,
Perder o que não pode ser perdido.
– É preciso ser puro, mas cuidado!
É preciso ser livre, mas sentido!

É preciso paciência, e que impaciência!
É preciso pensar, ou esquecer,
E conter a violência, com prudência,

Qual desarmada vítima ao querer
Vingar-se, sim, vingar-se da existência,
E, misteriosamente, não poder.

Dante Milano (1899-1991)

Nenhum comentário: