14 de julho de 2015

À Vida

Baccio Maria Bacci
Não colherás no meu rosto sem ruga
A cor, violenta correnteza.
És caçadora – eu não sou presa.
És a perseguição – eu sou a fuga.

Não colherás viva minha alma!
Acossado, em pleno tropel,
Arqueia o pescoço e rasga
A veia com os dentes, o corcel

Árabe -
E abre a veia da vida.
Marina Tzvietáieva (1892-1941)
Tradução: Haroldo de Campos

Nenhum comentário: