21 de julho de 2015

A Imagem Oposta

Peter Paul Rubens
Espelho, sub-reptício espelho,
meu professor de disfarce.
Quem poderá disfarçar-se
sem recorrer ao seu conselho?

É diante dele que componho
não só a gravata, meu enfeite,
mas o meu jeito de rir, tristonho,
para que o mundo me aceite.

Suspenso defronte à janela,
falador, não obstante mudo,
ele é o meu jornal tagarela
que em segredo me conta tudo.

Graças ao seu préstimo avisto
tudo o que se passa lá fora.
E vejo, sem jamais ser visto,
a vida que se vai embora...

Veja o amigo... (ah, eu o compreendo)
o amigo que mais considero.
Aquele que só é sincero
por não saber que o estou vendo.
Cassiano Ricardo (1895-1974)

Nenhum comentário: