3 de julho de 2015

A Fazenda

Louis-Jean-François Lagrenée
Seis horas... Salto do leito,
Que céu azul ! Que bom ar !
Ai, como sinto no peito,
Moço, vivo, satisfeito,
O coração a cantar !

No meu quarto, alegre e claro,
Há rosas e girassóis.
Eu, com enlevo, reparo
No mínimo do seu preparo,
Na alvura dos seus lençóis.

Que doce encanto, e que graça,
Nesta simples aldeã,
Tem sobre os vãos da vidraça,
Leves cortinas de cassa,
Bailando ao sol da manhã !

Paulo Setúbal (1893-1937)

Nenhum comentário: