20 de julho de 2015

A Escolha

Annibale Carracci
O intelecto do homem é forçado a escolher
A perfeição da vida, ou do trabalho
E se escolhe a segunda tem de recusar
Uma mansão celeste, enfurecendo-se em segredo.

Quando tudo acabar, o que haverá de novo?
Com sorte ou sem ela a labuta deixou as suas marcas:
Essa velha perplexidade é a bolsa vazia,
Ou a vaidade do dia, o remorso da noite.

William Butler Yeats (1865 -1939)
Tradução: Maria de Lourdes Guimarães e Laureano Silveira

Nenhum comentário: