14 de junho de 2015

Vem Vento, Varre!

Leopold Franz Kowalski
Vem vento, varre
Sonhos e mortos.
Vem vento, varre
Medos e culpas.
Quer seja dia,
Quer faça treva,
Varre sem pena,
Leva adiante
Paz e sossego,
Leva contigo
Noturnas preces,
Presságios fúnebres,
Pávidos rostos
Só cobardia.

Que fique apenas
Ereto e duro
O tronco estreme
De raiz funda.
Leva a doçura,
Se for preciso:
Ao canto fundo
Basta o que basta.

Vem vento, varre!

Adolfo Casais Monteiro (1908- 1972)

Nenhum comentário: