20 de junho de 2015

Saudade

Gustave Caillebotte
Ai quantas vezes,
ai quantas, quantas
no turvo mar,
o mar penteado
pelas rajadas
como a desordem
da cabeleira
de uma mulher,
eu suspirei,
morto em saudade
pela doçura
de regressar.

Arquíloco de Paros (680 - 645 a.C.)
Tradução: Jorge de Sena

Nenhum comentário: