18 de maio de 2015

Sob o duplo incêndio

Amedeo Modigliani
Sob o duplo incêndio
da lua e do neon,

sobre um parapeito de
mármore, entre duas cortinas

jogadas pela brisa marinha
que ao mesmo tempo às suas

coxas e costas dispensava
um hálito incontínuo,

inundando de rubro o restrito
perímetro de seu jarro em cerâmica

e contrastando, imemorial, com a
transitoriedade de tudo ali

(hotel, amor, carros, dia, noite)

uma flor alheia a símbolos

atingia seu ponto máximo
de beleza.

Carlito Azevedo

Nenhum comentário: