17 de maio de 2015

Res Cogitans

François Peyret
Penso, logo minto.
No que vejo, incerto,
reside o infinito,
pesadelo sem objeto.

E se afino o tato,
mesmo sem afinco,
o real me escapa,
paródia de labirinto.

Atônito entre nomes
e números, imagens
que me consomem,

sei que esta margem,
sua textura informa,
traduz outra paisagem.

Reynaldo Damazio

res cogitans ('coisa pensante')

Nenhum comentário: