3 de maio de 2015

Cárcere das Almas

Luis Ricardo Falero
Ah! Toda alma num cárcere anda presa,
Soluçando nas trevas, entre as grades
Do calabouço olhando imensidades,
mares, estrelas, tardes, natureza.

Tudo se veste de uma igual grandeza
Quando a alma entre grilhões as liberdades
Sonha e, sonhando, as imortalidades
Rasga no etéreo Espaço da Pureza.

Ó almas presas, mudas, fechadas
Nas prisões colossais e abandonadas,
Da Dor no calabouço, atroz, funéreo!

Nesses silêncios solitários, graves,
Que chaveiros do Céu possui as chaves
para abrir-vos as portas do Mistério?

Cruz e Sousa (1861-1898)
Vocabulário
Calabouço: prisão subterrânea; cárcere.
Grilhão: corrente que prende os condenados; cadeia, algema.
Funéreo: relativo à morte, aos mortos ou a coisas que com eles se relacionem.
Etéreo: sublime, puro, elevado; celeste, celestial.

Nenhum comentário: