9 de abril de 2015

O Rio Sinuoso

Albert Bierstadt
Todo dia, ao voltar da audiência imperial,
empenho minha roupa de primavera.
Vou para a margem do rio,
e só depois de bêbado
retorno a casa.
Dívidas de vinho,
deixo penduradas em qualquer cabide.
Nessa vida, chegar ao setenta,
é muito raro,
desde os tempos antigos.
As borboletas esvoaçam
sobre as flores,
e de tempos em tempos
uma de mim se aproxima.
As libélulas roçam a água
em seus leves voos.
Breve é o tempo
de estarmos juntos.
Melhor gozá-lo,
já que não obedece
aos nossos desejos.

Du Fu (712-770) - poeta chinês
Tradução: Sérgio Capparelli e Sun Yuqi

Nenhum comentário: