9 de abril de 2015

Dou-te a minha alma inteira

Rarindra Prakarsa
Dizes que brevemente
serás a metade de minha alma.
A metade?
Brevemente?
Não: já agora és,
não a metade, mas toda.
Dou-te a minha alma inteira,
deixe-me apenas uma pequena parte
para que eu possa existir por algum tempo
e adorar-te.
Graciliano Ramos (1892-1953)
"Cartas de amor à Heloísa".

Nenhum comentário: