15 de março de 2015

Lamento Amoroso

Hieronymus Bosch – Detalhe ‘Jardim das Delícias’
Não quero mulher que tenha
muito delgadas as pernas,
Como venenosas serpes,
de medo que elas me apertem.

Não quero mulher que tenha
muito comprido o cabelo,
um molho de ervas espesso
onde acaso eu me perca.

Quando sem vida me veres,
sobre o meu corpo não chores:
deixa que a águia ao ver-me
seja a única que me chore.

Quando sem vida me veres,
deita-me à floresta negra:
o tatu há-de vir ver
a cova onde meter-me.

Herberto Helder (1930-2015)

Nenhum comentário: