13 de março de 2015

A Hora Cinzenta

Daniel Gray
Desce um longo poente de elegia
Sobre as mansas paisagens resignadas:
Uma humaníssima melancolia
Embalsama as distâncias desoladas...

Longe, num sino antigo, a Ave-Maria
Abençoa a alma ingênua das estradas;
Andam surdinas de anjos e de fadas,
Na penumbra nostálgica, macia...

Espiritualidades comoventes
Sobem da terra triste, em reticência
Pela tarde sonâmbula, imprecisa...

Os sentidos se esfumam, a alma é essência
E entre fugas de sombras transcendentes,
O Pensamento se volatiliza...

Raul de Leoni (1895-1926)

Nenhum comentário: