26 de fevereiro de 2015

Não voltes atrás

Iluminura Medieval
Se os portais do meu coração
Estiverem sempre fechados,
Rebenta-os e entra na minha alma,
Senhor, não voltes para trás.

Se um dia destes as cordas da minha harpa
Não ressoarem com o teu nome,
Na tua espera digna de piedade,
Senhor, não voltes para trás.

Se quando me chamares
A sonolência do meu sono não passar,
Bate-me e acorda-me com o teu trovão,
Senhor, não voltes para trás.

Se um dia destes no teu trono
Eu colocar alguém sem pensamentos,
Meu eterno Rei,
Não voltes para trás!

Rabindranath Tagore (1861-1941)
Tradução: José Agostinho Baptista

Nenhum comentário: