15 de dezembro de 2014

Quatro Estações

Paul Cézanne - Primavera
Manhã (ver)de azul
a epiderme da flor
é a própria canção
poema, palavras não
meu filho me acena
de cada frescor...
Paul Cézanne - Verão
a bater-me à porta
pra alegria das cores
dos quadros retratos
seus olhos só riso
e neles o caminho
entre a fé e a convicção
o passado se perde
com todas as dores...
Paul Cézanne - Outono
vem com as folhas caindo
bem devagar
enchendo de ternura
seu caminho de volta
o sono vence a saudade
sua fronha mais o vento,
em paz, brincam no varal...
Paul Cézanne - Inverno
do limo do tempo
ressurge
ruge suas ondas e ventos
que envergam palmeiras
que perdem as estribeiras
fustigam-me a alma
atiçam-me a calma
em mais um desenlace...

- Orlando Costa Filho

Nenhum comentário: