10 de dezembro de 2014

O Quê ?

Childe Hassam
Em que cismas, poeta? Que saudades
Te adormecem na mágica fragrância
Das rosas do passado já pendidas?
Nos sonhos d’alma que te lembra?
– A infância!

Que sombra, que fantasma vem banhado
No doce eflúvio dessa quadra linda?
E a mente a folhear os dias idos
Que nome te recorda agora?
– Arinda!

Mas se passa essa quadra, fugitiva,
Qual no horizonte solitária vela,
Por que cismar na vida e no passado
E de quem são essas saudades?
– Dela!

E se a virgem viesse agora mesmo
Surgindo bela qual visão de amores
Tu, pra saudá-la bem do imo d’alma
Diz-me, poeta – o que escolhias?
– Flores.

E se ela, farta dos aromas doces
Que tem achado nos jardins divinos
Tão caprichosa machucasse as rosas
Diz-me, meu louco, o que mais tinhas?
– Hinos!

E se, teimosa, rejeitando a lira,
A fronte virgem para ti pendida,
Dum beijo a paga te pedisse altiva..
O que lhe davas, meu poeta?
– A vida!

Casimiro de Abreu (1839-1860)

Nenhum comentário: