2 de dezembro de 2014

O Peregrino

Katsushika Hokusai
Estive sempre em viagem,
peregrino sempre.
Pouco tratei de mim:
sorte e azar vão e vêm.

Desconhecidos o sentido e o objetivo
do meu peregrinar,
das mil vezes que caí
tornei a me levantar.

Ah, havia a estrela do amor,
de que eu andava atrás:
lá nas alturas posta,
santa e longe demais.

Antes de conhecer o objetivo,
andei à toa:
tive sublimes prazeres
e alguma coisa boa.

Agora, que mal entrevi a estrela,
é tão tarde, afinal:
ela se escondeu, já,
desaba o aguaceiro matinal.

Despede-se o variegado mundo
a que eu tão bem queria:
mesmo tendo perdido o objetivo,
a viagem valeu pela ousadia.

Hermann Hesse (1877-1962)

Nenhum comentário: