3 de dezembro de 2014

Cantiga para Djanira

Djanira da Motta e Silva - Auto-Retrato
O vento é o aprendiz das horas lentas,
Traz suas invisíveis ferramentas,
Suas lixas, seus pentes-finos,
Cinzela seus castelos pequeninos,
Onde não cabem gigantes contrafeitos,
E, sem emendar jamais os seus defeitos,
Já rosna descontente e guaia
De aflição e dispara à outra praia,
Onde talvez possa assentar
Seu monumento de areia – e descansar.

Paulo Mendes Campos (1922-1991)

Nenhum comentário: