1 de novembro de 2014

Ó, amiga eterna

Frederick Morgan
Ó, amiga eterna,
embora meu cantar seja fraco,
ouve o que minha musa te diz:
O mundo é mentira,
a dura matéria
recobre a pedra original.
Assim me foi dito. E exposta a mim
a beleza do Ser eterno,
uno e único.
Três vezes tu me apareceste.
Não fizeste surgir uma ideia, mas
a profunda realidade de minha vida.
Vieste para responder
ao chamado de meu coração.

Vi que tudo não era senão um.
A doce imagem
de minha eterna amiga
e o brilho de sua sublime luz ofuscam meu coração
e me envolvem completamente.

O mundo é futilidade,
mas sob o véu da matéria
descobri a pedra original.
E embora o tempo ainda me reja,
eu vi a plenitude de Deus,
seu Ser eterno.

Vladimir Soloviev (1853-1900)

Nenhum comentário: