2 de novembro de 2014

Janelas em cores

Jack Vettriano
Abre-se a janela branca, e meu filho
acende um cigarro,
ainda sonolento.

Abre-se a janela azul, e minha filha,
num vestido azul,
sorridente, está parada.

Abre-se a janela amarela, e minha mulher
me observa: a flor amarela
eu rego e assovio.

Só a janela negra se cala, trancafiada:
meu pai há muito
não aparece mais.

Branislav Lazarevic (1940-2008)
Tradução: Aleksandar Jovanovic

Nenhum comentário: