8 de outubro de 2014

Arte Poética

Photograph Garry Gay
A mente no início sente contusões.
A luz abre frestas brancas na folhagem negra
ou a bruma oculta tudo salvo a si mesma.

Como dizê-lo? –
é um fato que, quando a verdade não é boa o bastante,
nós exageramos. As proporções

contam. Não é fácil acertá-las.
Nada cabe
de supérfluo, que não seja elegante,
nada que seja apenas o que for.

Esse crepúsculo verde tem orlas violetas.

Borboletas amarelas
transferindo-se nervosas
da flor vermelha à cor-de-bronze
somem conforme surge o entardecer.

Charles Tomlinson (1927-2015)
Tradução: Nelson Ascher.

Nenhum comentário: