31 de agosto de 2014

Orquestra Oculta

John Melhuish Strudwick
Minha alma é uma orquestra oculta;
não sei que instrumentos tange e range,
cordas e harpas, timbales e tambores,
dentro de mim.
só me reconheço como sinfonia.
Todo o esforço é um crime porque
todo o gesto é um sonho inerte.
As tuas mãos são rolas presas.
Os teus lábios são rolas mudas.
(que aos meus olhos vêm arrulhar)
Todos os teus gestos são aves.
És andorinha no abaixares-te,
condor no olhares-me,
águia nos teus êxtases de orgulhosa indiferente.
Todo o prazer é um vício,
porque buscar o prazer é o que todos fazem na vida,
e o único vício negro é fazer o que toda a gente faz.

Bernardo Soares
(heterônimo de Fernando Pessoa)
Livro do Desassossego

Nenhum comentário: