23 de agosto de 2014

O que a Musa Eterna Canta

Di Cavalcanti-Rio de Janeiro Noturno
Cesse de uma vez meu vão desejo
de que o poema sirva a todas as fomes.
Um jogador de futebol chegou mesmo a declarar:
"Tenho birra de que me chamem de intelectual,
sou um homem como todos os outros".
Ah, que sabedoria, como todos os outros,
a quem bastou descobrir:
letras eu quero é pra pedir emprego,
agradecer favores,
escrever meu nome completo.
O mais são as mal traçadas linhas.

Adélia Prado

Nenhum comentário: