4 de junho de 2014

Alegria

Konstantin Razumov
No fundo de um poço
deitei a Alegria,
dizendo-lhe: “Espera
que volto algum dia,
com louros e rosas,
Amor e Poesia.”
No fundo de um poço
por que a deitaria?
Por que desprezava
sua companhia?
Pensei que no mundo
tudo padecia.
Ai, como o pensava!
E não a queria.
No fundo de um poço
deitei a Alegria.
Chegaram os tristes
por quem eu sofria.
Consigo a levaram
- e de longe o via! -
Nunca perguntaram
a quem pertencia.
Sofrer por sofrer,
somente eu sofria.
Os outros, - apenas
querendo alegria.
À beira do poço
voltarei um dia.
Pousarei meu rosto
na água negra e fria,
em ramos serenos
de Amor e Poesia.
Direi meu segredo,
sem melancolia.

E na água profunda,
sem noite nem dia,
eu mesma serei
minha companhia.
Eu quis outra coisa
que ninguém queria.
Nem tenho saudade
da antiga Alegria.

Cecília Meireles (1901-1964)

Nenhum comentário: