5 de junho de 2014

Árvore da Vida

Gustav Klimt
Da árvore da vida cai
Folha em folha sobre mim.
Oh! vertiginoso mundo colorido,
Como você cansa e entedia.
Como é forte essa embriaguez!
O que hoje ainda brilha
Breve desaparecerá.
Sobre o meu sepulcro marrom
Breve o vento rangerá.
Sobre a criancinha a mãe reclina
Seus olhos eu gostaria de rever,
Seu olhar é minha estrela,
Tudo mais pode ir, desaparecer,
Tudo morre, tudo gosta de morrer.
Só a mãe eterna permanece,
Donde viemos,
Seu dedo leve escreve
Nosso nome ao vento.

Hermann Hesse (1877-1962)
In "Caminhada".

Nenhum comentário: