3 de junho de 2014

Desapego

Pierre Puvis de Chavannes
A luz brilha em mim,
Mas meus olhos cegos não podem vê-la.
O tambor da eternidade soa em mim,
Mas meus ouvidos surdos não podem ouvi-lo.
Mas de bom grado o trocaria por capim.

Enquanto clama pelo "eu" e o "meu",
O trabalho do homem é inútil.
Quando o apego ao "eu" e ao "meu" se esvai,
O trabalho do Senhor acontece.
As flores florescem pelos frutos
E fenecem para que despontem.

Kabir (1440–1518)
Poeta hindu

Nenhum comentário: