5 de fevereiro de 2014

A poesia da transformação

Dennis Wunsch
Andava só, ilhado pelos próprios pensamentos,
as palhas dos problemas agarradas a mim.
As mãos fechadas, o destino maior impedido.
Atirei-me no fogo do amor e vi que somente
as palhas são consumidas.
A casca de máculas se derrete e revela o ser intocado.
Qual é o sacrifício, se apenas o inútil se queima?
E suas chamas iluminam o caminho reto da plenitude.
Que perdas há?
Se a minha fortuna se acende de vez
E sua luz desfaz o poder das antigas sombras
endeusadas no altar de uma mente cega.
No espelho do saber, apenas a verdade se reflete dignamente
"Apenas aquele que se livra da carga tem a leveza de se ver."

Ken ODonnell

Nenhum comentário: