5 de dezembro de 2013

Nariz, nariz, e nariz

Cyrano de Bergerac
Nariz, nariz, e nariz,
Nariz, que nunca se acaba;
Nariz, que se ele desaba,
Fará o mundo infeliz;
Nariz, que Newton não quis
Descrever-lhe a diagonal;
Nariz de massa infernal,
Que, se o cálculo não erra,
Posto entre o Sol e a Terra,
Faria eclipse total!

Manuel Maria Barbosa du Bocage (1765-1805)

Nenhum comentário: