12 de dezembro de 2013

Filosofias de Vida

Leon Wyczółkowski
A cada etapa da vida do homem corresponde uma certa Filosofia. A criança apresenta-se como um realista, já que está tão convicta da existência das peras e das maçãs como da sua. O adolescente, perturbado por paixões interiores, tem que dar maior atenção a si mesmo, tem que se experimentar antes de experimentar as coisas, e transforma-se, portanto num idealista. O homem adulto, pelo contrário, tem todos os motivos para ser um cético, já que é sempre útil pôr em dúvida os meios que se escolhem para atingir os objetivos. Dito de outro modo, o adulto tem toda a vantagem em manter a flexibilidade do entendimento, antes da ação e no decurso da ação, para não ter que se arrepender posteriormente dos erros de escolha. Quanto ao ancião, converter-se-á necessariamente ao misticismo, porque olha à sua volta e as mais das coisas lhe parecem depender apenas do acaso: o irracional triunfa, o racional fracassa, a felicidade e a infelicidade andam a par sem se perceber porquê. É assim e assim foi sempre, dirá ele, e esta última etapa da vida encontra a calma na contemplação do que existe, do que existiu e do que virá a existir.
Johann Wolfgang von Goethe (1749-1832)

Nenhum comentário: