28 de dezembro de 2013

A sombra de um Salgueiro

Photo: Divine Life
Fugi das chaminés.
do fumo, que era um denso nevoeiro.
e procurei, na beira dum regato.
a sombra de um salgueiro.

O silêncio, era música do céu;
o ar parado, absorto,
mas na água tranquila
vogava um peixe morto.

Fernanda de Castro (1900-1994)

Nenhum comentário: