8 de novembro de 2013

Flora

Evelyn De Morgan - Flora
Flora era como madrugada.
Trazia no corpo a cor da noite somada
ao brilho do dia.
Era ônix molhado com a claridade do sol.
Sua maneira de viver era estar entre
o plantio e a colheita.
Passava os dias escutando o sol,
entre nuvens, para nas noites dialogar
com a lua, entre estrelas.
E para melhor escutar, Flora
restava sempre o silêncio.
Assim sendo, Flora era medianeira
entre a permanência e o mistério.

Bartolomeu Campos de Queirós (1944-2012)

Nenhum comentário: