22 de outubro de 2013

Morri pra nascer

Isabel Guerra
Morri pra nascer.
Em cada pedaço do corpo
cravei os signos da paz.

Desfiz a última ceia
no íntimo ardor do pecado.
Compus com as sombras
o quadro da morte.

Deixei que tudo sobrasse
no lado de fora.
Importava era estar
em mim mesmo absolutamente
intocável. E de mais a mais

só queria o descanso
que merece um mortal
cumpridor dos deveres.

Alcides Buss

Nenhum comentário: