6 de outubro de 2013

A desconsoladora

Galina Chuprakova-Kazakova
Mulher, eu te procuro continuamente. É mais fácil achar
Deus, do que te achar.

Tenho por ti uma grande atração e repulsão - ao mesmo tempo.

Eu, adormeço com teu amor e desperto com o ódio a ti.
E te destruo e te construo a todo o instante.

Hás de me perseguir até a imortalidade.
A paz da mulher não é a paz de Deus.

A mulher não é o amor. A poesia é o amor.
A poesia da ausência da mulher
é equivalente à poesia da posse da mulher.

Murilo Mendes (1901-1975)

Nenhum comentário: