6 de setembro de 2013

Perfeição

José Ricardo-Beira do Piracicaba
Pende curvo o firmamento,
compacto azul sobre o dia.
Eis o arredondamento
do esplendor: é meio-dia.
Tudo é cúpula. Central
sem querer, a rosa, feita
cativa do sol no zênite.
E dá-se tanto o presente
que o pé caminhante sente
a inteireza do planeta.

Jorge Guillén (1893-1984)
Tradução: Izacyl Guimarães Ferreira

Nenhum comentário: