8 de setembro de 2013

Os Nomes

Ferdinand Georg Waldmüller
Madrugada. O horizonte
Entreabre as suas pestanas
E começa a ver. O quê? Nomes.
Nomes inscritos na pátina

Das coisas. A rosa, porém,
Ainda hoje se chama rosa
E a memória da sua
Transformação, pressa.

Pressa de viver mais.
Que um amor longo nos eleve
À pujança intempestiva
Do instante, tão ágil

Que mal atinge a sua meta
Logo impõe o depois.
Alerta! Alerta! Alerta!
Eu vou! Eu vou !

E as rosas? Pestanas
Cerradas: Horizonte
Final. Talvez nada?
Porém, ficam os nomes.

Jorge Guillén(1893-1984)
Tradução: Luís Costa

Nenhum comentário: