8 de setembro de 2013

OS AMANTES

Brent Heighton
Caules. Solidões
Ligeiras. Varandas
Esvoaçantes? – Montes,
Bosques, aves, ares.

Tanto, tanto espaço
Cingido de presença
Móvel de planetas
Os abraços teimosos.

Gozos, massas, gozos,
Massas, plenitude,
Luz atónita
E vermelhos absortos!

E o dia? A lisura
Do vidro. Mudo,
O quarto afunda-se,
Varandas em branco.

Só , amor, tu mesmo,
Túmulo. Nada, nada,
Túmulo. Nada, nada,
Mas... Tu comigo?

Jorge Guillén (1893-1984)
Tradução: Luís Costa

Nenhum comentário: