18 de agosto de 2013

Robespierre

Louis-Leopold Boilly
ALMA INQUEBRÁVEL - bravo sonhador
De um fim brilhante, de um poder ingente,
De seu cérebro audaz, a luz ardente
É que gerava a treva do Terror!

Embuçado num lívido fulgor
Sua alma colossal, cruel, potente,
Rompe as idades, lúgubre, tremente,
Cheia de glórias, maldições e dor!

Há muito que, soberba, essa alma ardida
Afogou-se cruenta e destemida
- Num dilúvio de luz: Noventa e três...

Há muito já que emudeceu na história
Mas ainda hoje a sua atroz memória
É o pesadelo mais cruel dos reis!...

Euclides da Cunha (1866-1909)

Nenhum comentário: