20 de agosto de 2013

Infância

Timothy C. Tyler
“Que âncora poderosa carregamos
Em nossa noite cega atribulada!
Que força do destino tem a carne
Feita de estrelas turvas e de nada!
Sou restos de um menino que passou.
Sou rastos erradios num caminho
Que não segue, nem volta, que circunda
A escuridão como os braços de um moinho”.

Paulo Mendes Campos (1922-1991)

Nenhum comentário: