6 de julho de 2013

Clareza

Henryk Semiradsky
Uma lua havia.
Quando as estrelas beijavam o céu.
Uma lua havia.
Quando, para todos, eu tirava o chapéu.
Uma lua havia.
Havia, hoje não há mais.

Genildo Mota Nunes

Nenhum comentário: