15 de maio de 2013

Allegro

Mou Lu
Sente como vibra
Doidamente em nós
Um vento feroz
Estorcendo a fibra

Dos caules informes
E as plantas carnívoras
De bocas enormes
Lutam contra as víboras

E os rios soturnos
Ouve como vazam
A água corrompida

E as sombras se casam
Nos raios noturnos
Da lua perdida.

Vinicius de Moraes (1913-1980)

Um comentário:

Mariângela disse...

Que lindo...
Adoro a poesia . E Vinícius é eterno por tudo o que viveu e escreveu!
Paz e luz!
Mariângela