27 de maio de 2013

Candeeiro

Alfred Andre Geniole
Em torno ao candeeiro desolado
Cujo petróleo me alumia a vida,
Paira uma borboleta, por mandado
Da sua inconsistência indefinida.

Fernando Pessoa (1888-1935)

Nenhum comentário: