7 de abril de 2013

A Lua branca

Carl Schweninger Jr
A lua branca
brilha no bosque.
De ramo em ramo,
parte uma voz que
vem da ramada.
Oh! bem-amada!
Reflete o lago,
como um espelho,
o perfil vago
do ermo salgueiro
que ao vento chora.
Sonhemos, é hora…
Como que desce
uma imprecisa
calma infinita
do firmamento
que a lua frisa.
É a hora indecisa…

Paul Verlaine (1844-1896)
Tradução: Onestaldo de Pennafort

Nenhum comentário: