16 de abril de 2013

Amém

Antoine Calbet
Hoje acabou sê-me a palavra,
e nenhuma lágrima vem.
Ai, se a vida se me acabara
também.

A profusão do mundo, imensa,
tem tudo, tudo - e nada tem.
Onde repousar a cabeça?
No além?
Fala-se com os homens, com os santos,
consigo, com Deus... E ninguém
entende o que está contando
e a quem...

Mas terra e sol, luas e estrelas
giram de tal maneira bem
que a alma desanima de queixas.
Amém.

Cecília Meireles (1901-1964)

Nenhum comentário: