31 de maio de 2010

William Blake -Titania Fairies Dancing
Persigo um pássaro
e alcanço, apenas,
no muro,
a sombra de um vôo.

Helena Kolody (1912-2004)
Eugenio Zampighi
Era uma vez uma mulher
que via um futuro grandioso
para cada homem que a tocava.
Um dia ela se tocou.

Alice Ruiz

29 de maio de 2010

“As palavras têm sexo.
Amam-se umas às outras.
E casam-se.
O casamento delas é o que chamamos de estilo”.

Machado de Assis (1839-1908)

28 de maio de 2010

“Não há clandestinos no caminho espiritual”.
(Mestre Maa Ho Yang)
É acreditando nas rosas
que as fazemos desabrochar.

Anatole France

27 de maio de 2010

Janice Fried
“Nesse mundo tudo é perdoado por antecipação
e tudo é, portanto, cinicamente perdido”.

(Milan Kundera)
José Serra procurando um vice.

26 de maio de 2010

Pensamentos

Lorenzo Mattotti
“Onde és terno, dizes plural”.
Roland Barthes (1915-1980)
Tracy Walker
“Eu me interesso pela linguagem
porque ela me fere ou me seduz”.

Roland Barthes (1915-1980)
Há homens que são como as velas;
sacrificam-se, queimando-se
para dar luz aos outros.

António Vieira

A Cor do Invisível

Susan Rios
“Às vezes tudo se ilumina de uma intensa irrealidade
E é como se agora este pobre, este único,
este efêmero instante do mundo
Estivesse pintado numa tela,

Sempre”...
Mario Quintana (1906-1994)

25 de maio de 2010

Quero apenas ser como o vento
que voa pelo mundo
sem destino e sem promessas.

TEMPESTADE

Alaya Gadeh
SUSPIRAM as rosas
e surpreendidas e assustadas
esconderam-se nos seus veludos.

Não eram borboletas!
Nem rouxinóis!
Não eram pavões que passavam pelo jardim.

De um céu ruidoso
caíam essas grandes asas luminosas e inquietas.
Relâmpagos azuis voavam entre os canteiros,
retalhando os lagos.

Tremiam veludos e sedas,
e o pólen delicado,
na noite violenta,
alta demais,
despedaçada,
despedaçante.

Ah, como era impossível
suster a forma das rosas!

Cecília Meireles (1901-1964)

22 de maio de 2010

“Bem antes da doença e da velhice,
talvez minha vida já fosse um pouco assim,
uma dorzinha chata a me espetar o tempo todo,
e de repente uma lambada atroz.
Quando perdi minha mulher, foi atroz.
E qualquer coisa que eu recorde agora,
vai doer, a memória é uma vasta ferida”.

(Chico Buarque)
De todas as dificuldades
que uma pessoa tem de enfrentar
a mais sofrida dor é, sem dúvida,
o simples ato de esperar.

Khaled Hosseini
Quem representa perigo para a paz mundial?
Quem representa perigo para a paz mundial? O Irã, que talvez pudesse vir a construir armamento nuclear, mas que não ocupa nenhum outro país? Ou os EUA, único país na história que usou a bomba atômica e que possui um arsenal que representa a metade de todo o armamento existente no mundo?
Que atualmente ocupam o Iraque e o Afeganistão, que tem uma história de invasões, ocupações, desembarques militares, amplamente conhecida?
Que desrespeitou o Conselho de Segurança da ONU e atacou o Iraque, apoiado em acusações que não se confirmaram? Que possui bases militares em mais de 10 países em todo o mundo? Ou Israel, que possui armamento nuclear, ameaça constantemente atacar o Irã e ocupa os territórios que devem, segundo a ONU, ser destinados ao Estado Palestino?
Um país que possui armas nucleares não tem condições morais para exigir que outros não tenham. A mediação dos EUA no conflito entre Israel e Palestina não promoveu a paz, porque os EUA possuem interesses diretamente vinculados a Israel, não possuindo credenciais para mediar o conflito com um mínimo de objetividade.
Emir Sader
Sociólogo e Cientista Político.

21 de maio de 2010

Apolo e Dafne

Apollo and Daphne - John William Waterhouse
A lenda conta que Apolo, o mais belo deus do Olimpo, autoconfiante com seu arco de prata, irrita o Cupido com sua arrogância. Assim, o Cupido teria lançado duas flechas, uma de amor em Apolo e outra de chumbo na ninfa Dafne, filha do rio deus Peneu, que afastava o amor.
Doente de amor, Apolo começou o assédio sobre Dafne, que recusando todos os pretendentes, não deixou de recusar o belo deus. Apolo então começou uma perseguição a Dafne, que corria desesperada pela floresta tentando evitá-lo. Ele estava cada vez mais próximo de seu objetivo quando Dafne suplica ao seu pai, ao vê-lo entre as árvores, que parasse com o sofrimento. Peneu então, vendo que Apolo já tocava os cabelos da filha, a enfeitiça. Dafne sente seu corpo adormecer, sua pele se transformando em casca, os cabelos em folhas, os braços enrijeceram e viraram galhos, os pés fincaram-se no chão virando raízes.
Transtornado, Apolo se agarra à árvore que fora seu grande amor e chora, dizendo que os ramos do loureiro sempre o acompanharão em sua coroa verde e vistosa, participando de seus triunfos eternamente. Dessa maneira, os ramos de loureiro ficaram associados a Apolo, tanto que nos Jogos Olímpicos ele ainda constitui parte do prêmio.
Portinari
Eu também gosto
De permissividade,
Garotada.
Mas, aqui entre nós,
E na alminha,
Não vai nada?

Millôr Fernandes (1923-2012)

20 de maio de 2010

Chove. Há silêncio, porque a mesma chuva
Não faz ruído senão com sossego.
Chove. O céu dorme. Quando a alma é viúva
Do que não sabe, o sentimento é cego.
Chove. Meu ser (quem sou) renego...

Tão calma é a chuva que se solta no ar
(Nem parece de nuvens) que parece
Que não é chuva, mas um sussurrar
Que de si mesmo, ao sussurrar, se esquece.
Chove. Nada apetece...

Não paira vento, não há céu que eu sinta.
Chove longínqua e indistintamente,
Como uma coisa certa que nos minta,
Como um grande desejo que nos mente.
Chove. Nada em mim sente...

Fernando Pessoa (1888-1935)

19 de maio de 2010

Nossa marcha

Troa na praça o tumulto!
Altivos píncaros - testas!
Águas de um novo dilúvio
lavando os confins da terra.

Touro mouro dos meus dias.
Lenta carreta dos anos.
Deus? Adeus. Uma corrida.
Coração? Tambor rufando.

Que metal será mais santo?
Balas-vespas nos atingem?
Nosso arsenal é o canto.
Metal? São timbres que tinem.

Desdobra o lençol dos dias
cama verde, campo escampo.
Arco-íris arcoirisa
o corcel veloz do tempo.

O céu tem tédio de estrelas!
Sem ele, tecemos hinos.
Ursa-Maior, anda, ordena,
para nós um céu de vivos.

Beba e celebre! Desata
nas veias a primavera!
Coração, bate e combate!
O peito - bronze de guerra.

Vladimir Maiakovski (1893-1930)

18 de maio de 2010

“Esta noite milhões de crianças dormirão na rua, mas nenhuma delas é cubana. E se alguma criança adormecer na rua é porque quer ver as estrelas”.
Fidel Castro
"Se tiver que amar, ame hoje.
Se tiver que sorrir, sorria hoje.
Se tiver que chorar, chore hoje.
O ontem já se foi e o amanhã talvez nao venha".

André Luiz
“O sexo é o consolo que
a gente tem quando o amor não nos alcança”.

Gabriel García Márquez

(Trecho do livro Memórias de Minhas Putas Tristes)

16 de maio de 2010

O cristianismo deu veneno de beber a Eros;
mas este não morreu,
degenerou-se em vício.

Friedrich Wilhelm Nietzsche ( 1844-1900)