30 de novembro de 2008


“A força do sábio está em
saber dizer o já dito
com o mesmo vigor
com que foi dito pela primeira vez”.

José Antonio Alves Torrano
(Jaa Torrano)
Todo dia o sol levanta
E a gente canta
Ao sol de todo dia
Fim da tarde a terra cora
E a gente chora
Porque finda a tarde
Quando a noite a lua mansa
E a gente dança
Venerando a noite.

Caetano Veloso
Rezas
Na hora em que a terra dorme
Enrolada em frios véus,
Eu ouço uma reza enorme
Enchendo o abismo dos céus...
Acendem-se os bentos círios
Dos vaga-lumes sutis!
"Ave!" murmuram os lírios,
"Ave!" dizem os covis!
Nos boqueirões há soluços...
Tem remorso o vendaval...
O mar se atira de bruços,
Com as barbas pelo areal.
As nuvens ajoelhadas
Nos claustros ermos e vãos,
Passam as contas doiradas
Das estrelas pelas mãos.
A açucena, por criança,
Junta os dedos... reza e ri!
A palmeira larga a trança...
Reza nua como a huri.
A ventania que emboca
Pela serra colossal
É o organista que toca
Nos sifões da catedral.
Que fanatismos divinos
Nas lapas do campo alvar!
Da onça os olhos felinos
Dizem rezas ao luar.
Há luzes fosforescentes
Acesas pelos marnéis...
São as larvas penitentes
Rezando pelos fiéis.
Monstro e anjo a noite grupa
No pedestal da oração...
Quem sabe se a catadupa
Bate nos peitos do chão?
Pelo cipó solitário
Gota a gota o orvalho cai
Como as bagas do rosário
De filha que chora o pai.
Reza tudo que tem boca
Cheia de graça ou terror...
O ninho - junto da toca!
A cratera ao pé da flor!
Só enquanto a reza enorme
Reboa pela amplidão...
Como Ló... o Homem dorme
No colo da criação!

Castro Alves (1847-1871)
Indicação de Livro
Mil Sóis Resplandecentes é um romance pleno de sensibilidade e um dos mais vendidos em diversos países onde se encontra publicado, tendo como pano de fundo as convulsões sociopolíticas que abalaram o Afeganistão nas últimas três décadas.
Há livros que se enquadram na categoria de verdadeiros fenômenos literários, livros que caem na preferência do público e que são votados ao sucesso ainda antes da sua publicação. Há já algum tempo que se ouvia falar de Mil Sóis Resplandecentes, do afegão Khaled Hosseini, depois da sua fulgurante sucesso com “O Caçador de Pipas”.
A verdade é que assim que as primeiras cópias de Mil Sóis Resplandecentes foram colocadas à venda, o romance liderou o primeiro lugar nos Estados Unidos, Reino Unido, Canadá, Alemanha, Holanda, Itália, Noruega, Nova-Zelândia e África do Sul, estando igualmente muito bem classificado no Brasil e em França. Devido ao elevado número de encomendas, nos Estados Unidos, foram realizadas cinco reedições ainda antes do livro chegar às livrarias e na primeira semana após a publicação, já tinham sido registradas um milhão de cópias em circulação. É, pois um caso verdadeiramente arrebatador que combina preferências populares internacionais.
Confirmando o talento de um grande narrador, Mil Sóis Resplandecentes passa em revista os últimos trinta anos no Afeganistão através da comovente história de duas mulheres afegãs casadas com o mesmo homem, unidas pela amizade e pela dor proveniente dos abusos que lhes são infligidos, dentro e fora de casa, em nome do machismo e da violência política vigente durante o regime taliban, mas separadas pela idade e pelas aspirações de vida. Um livro revelador, que aborda as relações humanas e as reforça perante reações de poder excessivo e impunidade.


Sou caleidoscópica: fascinam-me as minhas mutações faiscantes que aqui caleidoscopicamente registro.
Sou um coração batendo no mundo.

Clarice Lispector (1920-1977)
[…] Sem dúvida alguma, o amor se assemelha à amizade: poderíamos dizer que é uma amizade tomada pela loucura. Ora, amamos pela sedução do ganho? Por ambição? Por desejo de glória? O amor basta a si mesmo e não se ocupa de nenhuma outra coisa. É assim que ele inflama as almas do desejo da beleza, movido pela esperança de uma afeição recíproca. Como aceitar que de um princípio mais nobre nasça um sentimento vil? "Não se trata, tu me dirás, de saber se a amizade deve ser procurada por si mesma ou por outra razão." Muito pelo contrário, é este o ponto que precisamos estabelecer antes de mais nada: se é por si mesma que ela deve ser procurada, o homem que encontra em si a sua a sua satisfação pode tender à amizade.”E como, então?"
Como tendemos para a coisa mais bela, sem preo¬cupação com lucros, nem medo diante dos rever¬sos da fortuna. Tiramos a grandeza da amizade, quando nela vemos um meio de ganhar alguma coisa.[…]
A mesma suavidade natural que encontramos em alguns momentos nos leva a procurar a amizade e a companhia do outro. O homem detesta a solidão e por natureza vai em direção ao próximo; nele também há um impulso que o leva a procurar a amizade.[…]
Sêneca (4 a.C - 65 d.C), em Cartas a Lucílio

29 de novembro de 2008



A gaveta da alegria
está cheia
de ficar vazia.

Alice Ruiz
José Saramago, disse hoje, em entrevista ao jornal Folha de São Paulo: "Por que precisamos de Deus? Nós o vimos? A Bíblia demorou 2000 anos para ser escrita e foi redigida por homens", declarou.
Ainda disse que a Bíblia é um "desastre", cheia de "maus conselhos, como incestos, matanças".
Saramago também afirmou que foi o homem quem inventou Deus, o Diabo e o purgatório, que "hoje está desqualificado".
Ele ainda voltou a criticar a Igreja, afirmando que ela inventou o pecado para controlar o corpo humano. "O sonho da Igreja é transformar todos em eunucos, quer dizer, os homens, porque as mulheres não podem ser eunucas".

Poema sobre a recusa

Como é possível perder-te
sem nunca te ter achado
nem na polpa dos meus dedos
se ter formado o afago
sem termos sido a cidade
nem termos rasgado pedras
sem descobrirmos a cor
nem o interior da erva.

Como é possível perder-te
sem nunca te ter achado
minha raiva de ternura.

Maria Teresa Horta
Os elementos formam-se a partir de quatro unidades primitivas presentes na natureza que são quente, frio, úmido e seco. E a cada uma delas, associamos os sinais de positivo e negativo, que significam um funcionamento mais masculino ou mais feminino, mais ativo ou mais passivo, mais "yang" ou mais "yin", como se diz em linguagem taoista, no mundo oriental.
O Fogo:
É formado das qualidades primitivas quente e seco, com três sinais de mais e um de menos, que o fazem um elemento de polaridade masculina ou de atividade extrovertida.
Fogo é intuição ou a capacidade de antecipar o futuro através de imagens e insights. Entendimento imediato ou não de qualquer situação.
Dentre os elementais do fogo, estão as salamandras, o boitatá, a fênix, o dragão e a quimera.
Os Signos:
  • Áries
  • Sagitário
  • Leão

A Terra:
É formada das qualidades primitivas fria e seca com dois sinais de cada, sendo considerado um elemento de polaridade feminina ou de atividade introvertida. Terra é sensação ou a capacidade de lidar com os aspectos materiais e concretos da vida e ainda de expressar suas sensações ou sentidos físicos. Dentre os elementais da terra, estão os gnomos, os duendes, as ninfas, as dríades, os anões mitológicos, os sacis, os faunos, o curupira. Os Signos:
  • Touro
  • Virgem
  • Capricórnio

A Água:
É formada das qualidades primitivas fria e úmida com três sinais de menos e um de mais, que o fazem um elemento de polaridade feminina ou de atividade introvertida. Água é sentimento maior ou menor capacidade de expressar sentimentos e emoções, maior ou menor capacidade de envolvimento com pessoas, ambientes e atividades. Dentre os elementais da água que, segundo a crença pagã, seriam capazes de controlar o elemento água e o representar, estão as ondinas, as sereias. Os Signos:
  • Peixes
  • Câncer
  • Escorpião

O Ar:
É formado das qualidades primitivas quente e úmido, com dois sinais de cada, sendo considerado um elemento de polaridade masculina ou de atividade extrovertida. Ar é pensamento maior/menor capacidade intelectual, ordenação mental e aprendizado, maior/menor interesse em atividades intelectuais e capacidade de se relacionar. Dentre os elementais da água que, segundo a crença pagã, seriam capazes de controlar o elemento água e o representar, estão as ondinas, as sereias. Os Signos:
  • Aquário
  • Gêmeos
  • Libra

28 de novembro de 2008




“Maturidade é a capacidade
de suportar a incerteza”.

John Finley
(1863-1940)

O Semeador

Camille Jacob Pissarro
Vê, confias com total esperança
na terra das douradas sementes,
e feliz esperas na primavera
que a semente germine.
Por ter medo do tempo pensas
de fato semear em ti
somente a que, semeada pela sabedoria, em silêncio
para a eternidade florescer?

Friedrich Schiller (1759-1805)
Tradução: Elpídio de Toledo

Poema simples

Deixa-me recolher as rosas que
estão morrendo nos jardins da noite,
Deixa-me recolher o fruto antes que este volva as raízes da terra,
Deixa-me recolher a estrela úmida
Antes que sua luz desapareça na madrugada,
Deixa-me recolher a tristeza da alma
Antes que a lágrima banhe a pálpebra
Do orfão abandonado e faminto,
Deixa-me recolher a ternura parada
No coração da mulher que desejou ser mãe.
Deixa-me recolher a esperança dos que acreditam,
Recolher o que ainda não passou
E mais do que tudo dá-me a recolher
A palavra de amor e de doçura para que reparta
Com os ouvidos que esperam como uma gota de mel
Caindo na alma e no coração,
Como a única luz dentro de tanta escuridão.

Adalgisa Nery (1905-1980)

Brasil

Mário Zanini - Samba
O Zé Pereira chegou de caravela
E preguntou pro guarani de mata virgem
- Sois cristão?
- Não, Sou bravo, sou forte sou filho da morte
Tetetê tetê Quizá Quizá Quecê!
Lá de longe a onça resmungava Uu! Ua! uu!
O negro zonzo saído da fornalha
Tomou a palavra e respondeu
- Sim pela graça de Deus
Canhem Babá Canhem Babá Cum Cum!
E fizeram o carnaval.
Oswald de Andrade (1890-1954)
A casa desabitada que nós somos
pede que a venham habitar,
que lhe abram as portas e as janelas
e deixem passear o vento pelos corredores.
Que lhe limpem os vidros da alma
e ponham a flutuar as cortinas do sangue
– até que uma aurora simples nos visite
com o seu corpo de sol desgrenhado e quente.
Até que uma flor de incêndio rompa
o solo das lágrimas carbonizadas e férteis.
Até que as palavras de pedra que arrancamos da língua
sejam aproveitadas para apedrejarmos a morte.

__Albano Martins __

Dia de Ação de Graças
Jean Leon Gerome Ferris - The First Thanksgiving
Os primeiros Dias de Ação de Graças eram festivais de gratidão a Deus, em agradecimento às boas colheitas anuais. Por esta razão, o Dia de Ação de Graças é festejado no outono (no hemisfério norte), após a colheita ter sido recolhida.
Expressar a gratidão é algo raro em nossos dias. Ouvir um obrigado sincero e genuíno é cada vez mais difícil. A cultura estadunidense e canadense reservou a quinta-feira da quarta semana de novembro para trazer à memória a provisão de Deus em suas mesas em meio à adversidade de seus pioneiros.
A cultura estadunidense e canadense reservou a quinta-feira da quarta semana de novembro para fazer esse agradecimento em família. Lá esse feriado é mais importante que o de Natal.
No ano de 1909, Joaquim Nabuco, Embaixador do Brasil nos Estados Unidos, assistiu a um culto de Ação de Graças. Ficou tão impressionado, que declarou: "Quisera que toda a humanidade se unisse, num mesmo dia, para um universal agradecimento a Deus". Foi inspirado nessa declaração que, 40 anos depois, em 1949, o Congresso Nacional votou e o presidente Eurico Gaspar Dutra sancionou a Lei no 781, que instituiu também no Brasil o Dia Nacional de Ação de Graças.
No Brasil, o presidente Gaspar Dutra instituiu o Dia Nacional de Ação de Graças na quarta quinta-feira de novembro, em 1949 por sugestão do embaixador Joaquim Nabuco. Aqui além de não ser feriado poucos comemoram esta data, apenas as famílias de origem americana, igrejas, universidades confessionais metodistas e cursos de inglês.
Gratidão, algo raro em nossos dias, mas que deve ser cultivado por cada um de nós! Não precisa ser somente a Deus. Deveríamos ser agradecidos em tudo!

27 de novembro de 2008

Nova Ordem

Josephine Chervinska
Com Copérnico, o homem deixou de estar no centro do Universo.
Com Darwin, o homem deixou de ser o centro do reino animal.
Com Marx, o homem deixou de ser o centro da história
(que aliás não possui um centro).
Com Freud, o homem deixou de ser o centro de si mesmo
(que também nem sequer existe,
é apenas um lugar vazio, uma brecha, uma voragem).

__Eduardo Prado Coelho

A Rosa

A rosa,
a imarcescível rosa que não canto,
a que é peso e fragrância, a do negro jardim
na alta noite,
a de qualquer jardim e qualquer tarde,
a rosa que ressurge da tênue
cinza através da arte da alquimia,
a rosa dos persas e de Ariosto,
a que sempre está só,
a que sempre é a rosa das rosas,
a jovem flor platônica,
a ardente e cega rosa que não canto,
a rosa inalcançável.
Jorge Luís Borges (1899-1986)
Tradução: Luís Quintais

Quero apenas

Além de mim, quero apenas
essa tranquilidade de campos de flores
e este gesto impreciso
recompondo a infância.
Além de mim
– e entre mim e meu deserto –
quero apenas silêncio,
cúmplice absoluto do meu verso,
tecendo a teia do vestígio
com cuidado de aranha.

Olga Savary

26 de novembro de 2008

Henfil



Se não houver frutos,
valeu a beleza das flores;
se não houver flores,
valeu a sombra das folhas;
se não houver folhas,
valeu a intenção da semente.

Henfil
Van Gohg
Ah, todo o cais é uma saudade de pedra!
E quando o navio larga do cais
E se repara de repente que abriu um espaço
Entre o cais e o navio,
Vem-me, não sei por quê, uma angústia recente,
Uma névoa de sentimentos de tristeza
Que brilha ao sol das minhas angústias
Relvadas como a primeira janela
Onde a madrugada bate,
E me envolve como uma recordação
Duma outra pessoa
Que fosse misteriosamente minha.

Álvaro de Campos
Fernando Pessoa (1888-1935)
Grande parte dos seres humanos está mergulhada em fome e subnutrição. Isso é um escândalo e sinal de extrema inumanidade, porque dispomos de todos os meios técnicos e políticos que nos permitem oferecer alimentos a todos os habitantes da Terra. Não o fazemos porque perdemos a sensibilidade para com nossos semelhantes, cujos gritos ao céu não ouvimos e cujas mãos suplicantes desdenhamos.
Jacques Vergès: O advogado do Diabo
Ele se encontrou com Mao Tsé-tung, Pol Pot e Che Guevara. Ele defendeu 'Carlos, o Chacal' e o criminoso de guerra nazista Klaus Barbie. Jacques Vergès, 83 anos, provavelmente é o advogado mais famoso do mundo. Seu mais recente cliente é Khieu Samphan, o ex-chefe de Estado do Camboja sob o Khmer Vermelho, que está sendo julgado por crimes de guerra.

25 de novembro de 2008

Paulo Zerbato - Consider Before Acting
A palavra não é o «signo» do pensamento, se compreendermos como tal um fenómeno que anuncia outro, como o fumo anuncia o fogo. A palavra e o pensamento só admitiriam essa relação exterior se uma e outro fossem dados tematicamente; na realidade estão envolvidos uma no outro, o sentido está preso na palavra, e a palavra é a existência exterior do sentido.
Merleau-Ponty (1908-1961)

Mocidade e Primavera

Charles Courtney Curran (1861-1942)
A Mocidade é como a Primavera!
A alma, cheia de flores, resplandece,
Crê no Bem, ama a vida, sonha e espera,
E a desventura facilmente esquece.
É a idade da força e da beleza:
Olha o futuro, e inda não tem passado:
E, encarando de frente a Natureza,
Não tem receio do trabalho ousado.
Ama a vigília, aborrecendo o sono;
Tem projetos de glória, ama a Quimera;
E ainda não dá frutos como o outono,
Pois só dá flores como a Primavera!

Olavo Bilac (1865-1918)


"Entupiu o sistema circulatório do capitalismo. É preciso agir rápido, antes que ocorra a trombose".
Maria da Conceição Tavares

Drummond

“Todos os dias que depois vieram, eram tempo de doer. Miguilim tinha sido arrancado de uma porção de coisas, e estava no mesmo lugar. Quando chegava o poder de chorar, era até bom - enquanto estava chorando, parecia que a alma toda se sacudia, misturando ao vivo todas as lembranças, as mais novas e as muito antigas. Mas, no mais das horas, ele estava cansado. Cansado e como que assustado. Sufocado. Ele não era ele mesmo. Diante dele, as pessoas, as coisas, perdiam o peso de ser. Os lugares, o Mutum - se esvaziavam, numa ligeireza, vagarosos. E Miguilim mesmo se achava diferente de todos. Ao vago, dava a mesma ideia de uma vez, em que, muito pequeno, tinha dormido de dia, fora de seu costume - quando acordou, sentiu o existir do mundo em hora estranha, e perguntou assustado: - ‘Uai, Mãe, hoje já é amanhã?!”
Manuelzão e Miguilim - João Guimarães Rosa (1908-1967)

24 de novembro de 2008

Todas as filosofias
e todas as religiões
não são senão túneis metropolitanos
escavados através do universo.

Aldous Huxley (1894-1963)